Ativo e passivo ambiental

Enviado por Werno Herckert


  1. Função social da empresa e o meio ambiente
  2. Origem e aplicação de recursos no meio ambiente
  3. Lucro e o meio ambiente
  4. Critérios de avaliação do meio ambiente natural
  5. Exaustão de recursos naturais
  6. Conclusão
  7. Bibliografía

Cresce a nível mundial a preocupação com a riqueza das células sociais em relação ao meio ambiente natural. Tanto é que se criou a Contabilidade Ambiental algumas vezes chamada também Contabilidade dos Recursos ou Contabilidade Econômica e Ambiental Integrada. Isso graças ao apoio generoso da Fundação C. S. Mott, de Flint, Michigan, Estados Unidos.

Palavras chaves. Social, meio ambiente, lucro, balanço social e poluição.

FUNÇÃO SOCIAL DA EMPRESA E O MEIO AMBIENTE

No início do século, Eugen Schmalenbach, expoente da doutrina reditualista na Alemanha, manifestou em sua teoria dinâmica da riqueza a preocupação com o social. Entendeu ele que a formação do rédito não depende só da azienda, mas da influência do ambiente externo onde está inserida.

Também Rudolf Dietrich, aziendalista-socialista da Alemanha, defendeu que a azienda deveria estar a serviço da sociedade, produzindo, empregando e fortalecendo o Estado, mas, para que isto ocorresse, dizia que a comunidade também deveria contribuir para com o fortalecimento da azienda.

E mais recente Lopes de Sá, em sua teoria das funções sistemáticas, abriu caminho para uma estrutura de doutrina competente volvida ao ambiental, com a preocupação básica da eficácia do fenômeno patrimonial e a eficácia do fenômeno ambiental natural.

Lopes de Sá (1999) escreveu que: tal conciliação das duas eficácias, é uma nova ótica que a doutrina contábil não havia ainda considerado até há pouco tempo, mas, imprescindível para o desenvolvimento de uma contabilidade aplicada ao meio ambiente.

Toda célula social tem uma função social e tem obrigação de não poluir o ambiente natural onde ela está localizada (espacialidade). Poluindo está prejudicando a comunidade e a natureza.

O patrimônio da célula social influência e é influenciada pelo meio ambiente natural.

E sobre esta matéria ensinou Lopes de Sá (1999), parece-me axiomático que o entorno ecológico transforma-se com o transformar da riqueza das células sociais e a riqueza das células sociais se transforma com o transformar do entorno "ecológico". Ou seja, portanto: "há uma inequívoca interação transformadora entre o ambiente natural e o patrimônio das células sociais. Ou ainda, que o patrimônio, quer o ambiente natural, sujeitam-se às leis supremas da transformação e as de um regime de inteiração.

Ainda ensinou Lopes de Sá (1999), o papel da empresa vai, cada vez mais, transcendendo limites meramente privados e só esse caminho, realmente, no próximo milênio, ensejará maior equilíbrio entre o capital e o humano coletivo.

Não se pode anular o empreendimento individual, nem lhe tirar o objetivo do lucro, mas, é preciso que dele se exija o exercício de uma consciência volvida para o ambiente que permite, inclusive, a existência das atividades lucrativas.

A empresa deve contribuir, precisa investir em preservações ambientais, mas, também, necessário se faz que os Poderes Públicos incentivam e compreendam esta tendência. Tudo deve convergir para o objetivo maior e que é o da sobrevivência da espécie humana sobre a terra.

ORIGEM E APLICAÇÃO DE RECURSOS NO MEIO AMBIENTE

Segundo Milton A. Walter (1978), os recursos financeiros necessários à atividade econômica das empresas são originadas de fontes internas e externas. As fontes externas abrangem todas as obrigações assumidas pela empresa. Denomina-se Passivo Exigível. As fontes internas correspondem ao capital acumulado dos proprietários da empresa. São conhecidos por Capital Próprio ou Patrimônio Líquido.

Os recursos procedentes de fontes internas e externas são aplicados em bens e direitos que compõem o Ativo.

A empresa deve gerar recursos para investir na recuperação daquilo que ela utilizou a natureza.

Há empresa que polui e destrói mais a natureza que outras.

A que mais polui deve pagar mais a que menos polui deve pagar menos. Isto é óbvio.

Uma fábrica de papel precisa de madeira e deve aplicar recursos em reflorestamento. Uma indústria de cimento deve ter recursos para investir em chaminés despoluentes. Um posto de gasolina que faz lavagens de carros, troca de óleo etc. deve construir açudes de decantação para evitar a poluição de derivados de petróleo nos riachos, rios etc. A empresa deve criar contas que geram recursos. Esses recursos devem ser aplicados na recuperação da natureza. Deve-se criar modelo eficaz de harmonia entre o patrimônio da empresa, o social e a natureza.


Página seguinte 


As opiniões expressas em todos os documentos publicados aqui neste site são de responsabilidade exclusiva dos autores e não de Monografias.com. O objetivo de Monografias.com é disponibilizar o conhecimento para toda a sua comunidade. É de responsabilidade de cada leitor o eventual uso que venha a fazer desta informação. Em qualquer caso é obrigatória a citação bibliográfica completa, incluindo o autor e o site Monografias.com.